CAPÍTULO 21

O povo de Lími é ferido e derrotado pelos lamanitas—Eles encontram Amon e são convertidos—Falam a Amon sobre as vinte e quatro placas jareditas. Aproximadamente 122–121 a.C.

  E aconteceu que Lími e seu povo voltaram para a cidade de Néfi e começaram a viver novamente em paz na terra.

  E aconteceu que, passados muitos dias, os lamanitas começaram a irar-se novamente contra os nefitas e a atravessar as fronteiras da terra circunvizinha.

  Ora, não se atreviam a matá-los por causa do juramento que seu rei havia feito a Lími; no entanto, batiam-lhes nas afaces e exerciam autoridade sobre eles; e começaram a pôr pesados bfardos sobre seus lombos e a conduzi-los como a um jumento mudo.

  Sim, tudo isso aconteceu para que se cumprisse a palavra do Senhor.

  Ora, as aflições dos nefitas eram grandes e não havia meio de se livrarem das mãos dos lamanitas, pois haviam sido cercados por eles de todos os lados.

  E aconteceu que os do povo começaram a queixar-se ao rei por causa de suas aflições e principiaram a ter desejo de fazer guerra aos lamanitas. E muito aborreceram o rei com suas queixas; portanto ele permitiu que procedessem de acordo com seus desejos.

  E reuniram-se novamente e vestiram suas armaduras e saíram contra os lamanitas para expulsá-los de sua terra.

  E aconteceu que os lamanitas os venceram e rechaçaram e mataram muitos deles.

  E houve muito apranto e lamentações entre o povo de Lími, chorando a viúva por seu marido, o filho e a filha por seu pai e os irmãos por seus irmãos.

  10 Ora, havia muitas viúvas na terra e elas choravam muito, dia após dia, porque se havia apoderado delas um grande temor dos lamanitas.

  11 E aconteceu que seus contínuos lamentos incitaram o restante dos súditos de Lími contra os lamanitas; e voltaram a guerrear, mas foram rechaçados novamente, sofrendo grandes perdas.

  12 Sim, e ainda voltaram a guerrear uma terceira vez, sofrendo da mesma forma; e os que não pereceram voltaram para a cidade de Néfi.

  13 E humilharam-se até o pó, sujeitando-se ao jugo do cativeiro, sendo espancados e levados de um lado para outro e sobrecarregados, de acordo com os desejos de seus inimigos.

  14 E ahumilharam-se com a mais profunda humildade e clamaram fervorosamente a Deus; sim, clamavam todo o dia a seu Deus, para que os livrasse de suas aflições.

  15 E o Senhor mostrava-se avagaroso em ouvir-lhes as lamentações, por causa de suas iniqüidades; não obstante, o Senhor ouviu-lhes os lamentos e começou a abrandar o coração dos lamanitas, de modo que principiaram a aliviar-lhes a carga; contudo o Senhor não julgou oportuno livrá-los do cativeiro.

  16 E aconteceu que começaram, aos poucos, a prosperar na terra; e começaram a cultivar grãos em maior abundância e a criar rebanhos e manadas para não sofrerem fome.

  17 Ora, havia um número muito maior de mulheres que de homens; portanto o rei Lími ordenou a cada homem que adividisse o seu sustento com as bviúvas e seus filhos, para que não perecessem de fome; e isto fizeram por causa do grande número de homens que haviam sido mortos.

  18 Ora, o povo de Lími conservou-se o mais unido possível, num só grupo, e protegeu seus grãos e seus rebanhos.

  19 E o próprio rei não ousava sair das muralhas da cidade, a não ser acompanhado de seus guardas, temendo cair, de alguma forma, nas mãos dos lamanitas.

  20 E fez com que vigiassem a terra ao redor para ver se, de algum modo, conseguiriam prender aqueles sacerdotes que haviam fugido para o deserto, que haviam raptado as afilhas dos lamanitas e feito cair sobre eles tão grande destruição.

  21 Pois desejavam prendê-los para castigá-los; porque haviam penetrado na terra de Néfi durante a noite e carregado seus grãos e muitos de seus pertences preciosos; ficaram, portanto, à espreita.

  22 E aconteceu que não houve mais distúrbios entre os lamanitas e o povo de Lími, até a época em que aAmon e seus irmãos chegaram à terra.

  23 E o rei, achando-se fora das portas da cidade com sua guarda, descobriu Amon e seus irmãos. E supondo que fossem os sacerdotes de Noé, mandou prendê-los e amarrá-los e jogá-los na aprisão. E houvessem eles sido os sacerdotes de Noé, ele teria mandado matá-los.

  24 Contudo, quando descobriu que não eram, mas que eram seus irmãos e tinham vindo da terra de Zaraenla, encheu-se de grande alegria.

  25 Ora, antes da chegada de Amon o rei Lími enviara um apequeno número de homens à bprocura da terra de Zaraenla; mas não a puderam encontrar e perderam-se no deserto.

  26 Não obstante, encontraram uma terra que havia sido habitada; sim, uma terra que estava coberta de aossos secos; sim, uma terra que havia sido habitada e destruída; e tendo suposto que fosse a terra de Zaraenla, voltaram para a terra de Néfi, havendo chegado a suas fronteiras alguns dias antes da chegada de Amon;

  27 E levaram consigo um registro, o registro do povo cujos ossos haviam encontrado; e estava gravado em placas de metal.

  28 E então Lími novamente se encheu de alegria ao saber, pela boca de Amon, que o rei Mosias tinha um adom de Deus, mediante o qual podia interpretar tais gravações; sim, e Amon também se regozijou.

  29 Não obstante, Amon e os irmãos encheram-se de tristeza por haverem sido mortos tantos de seus irmãos.

  30 E também por terem, o rei Noé e seus sacerdotes, feito com que o povo cometesse tantos pecados e iniqüidades contra Deus; e também lamentaram a amorte de Abinádi, assim como a bpartida de Alma e dos que o haviam acompanhado, os quais haviam formado uma igreja de Deus pela força e poder de Deus e fé nas palavras que haviam sido proferidas por Abinádi.

  31 Sim, lamentaram sua partida, porque não sabiam para onde haviam fugido; e de bom grado se teriam unido a eles, pois também haviam feito um convênio com Deus de servi-lo e guardar seus mandamentos.

  32 Ora, desde a chegada de Amon o rei Lími e muitos de seu povo também haviam feito convênio com Deus de servi-lo e guardar seus mandamentos.

  33 E aconteceu que o rei Lími e muitos de seu povo desejavam ser batizados; mas ninguém havia na terra que tivesse aautoridade de Deus. E Amon recusou-se a batizá-los, por considerar-se um servo indigno.

  34 Portanto naquela época eles não formaram uma igreja, esperando pelo Espírito do Senhor. E desejavam tornar-se como Alma e seus irmãos, que haviam fugido para o deserto.

  35 Desejavam ser batizados, como prova e testemunho de que estavam dispostos a servir a Deus de todo o coração; não obstante, adiaram o momento; e um relato de seu batismo será afeito mais adiante.

  36 Ora, toda a preocupação de Amon e de seu povo e do rei Lími e de seu povo era livrarem-se das mãos dos lamanitas e do cativeiro.