PRIMEIRO LIVRO DE NÉFI

CAPÍTULO 4

Néfi mata Labão por ordem do Senhor e depois se apodera das placas de latão por meio de um estratagema—Zorã decide unir-se à família de Leí no deserto. Aproximadamente 600–592 a.C.

  E aconteceu que falei a meus irmãos, dizendo: Subamos novamente a Jerusalém e sejamos afiéis aos mandamentos do Senhor; pois eis que ele é mais poderoso que toda a terra. Por que, então, não há de ser bmais poderoso que Labão e seus cinqüenta, sim, ou mesmo suas dezenas de milhares?

  Subamos, portanto; sejamos afortes como bMoisés; porque ele por certo falou às águas do cMar Vermelho e elas dividiram-se para um e outro lado; e nossos pais saíram do cativeiro passando sobre terra seca; e foram seguidos pelos exércitos de Faraó, que se afogaram nas águas do Mar Vermelho.

  Agora, eis que sabeis que isso é verdade; e sabeis também que um aanjo vos falou; como, pois, podeis duvidar? Subamos; o Senhor tem poder para livrar-nos, como livrou nossos pais; e para destruir Labão, como destruiu os egípcios.

  Ora, depois de haver eu dito estas palavras, ainda estavam irritados e continuaram a murmurar; não obstante, seguiram-me até chegarmos às muralhas de Jerusalém.

  E era noite; e eu fiz com que se escondessem fora das muralhas. E depois de se haverem eles escondido, eu, Néfi, penetrei sorrateiramente na cidade e dirigi-me à casa de Labão.

  E fui aconduzido pelo Espírito, não bsabendo de antemão o que deveria fazer.

  Não obstante, segui em frente e, chegando perto da casa de Labão, vi um homem que havia caído no chão, diante de mim, porque estava bêbado de vinho.

  E aproximando-me dele, vi que era Labão.

  E vi a sua aespada e tirei-a da bainha; e o punho era de ouro puro, trabalhado de modo admirável; e vi que sua lâmina era do mais precioso aço.

  10 E aconteceu que fui acompelido pelo Espírito a matar Labão; mas disse em meu coração: Nunca fiz correr sangue humano. E contive-me; e desejei não ter de matá-lo.

  11 E o Espírito disse-me outra vez: Eis que o aSenhor o entregou em tuas mãos. Sim, e eu sabia também que ele procurara tirar-me a vida e que não daria ouvidos aos mandamentos do Senhor; e também se bapoderara de nossos bens.

  12 E aconteceu que o Espírito me disse outra vez: Mata-o, pois o Senhor entregou-o em tuas mãos.

  13 Eis que o Senhor amata os biníquos, para que sejam cumpridos seus justos desígnios. cMelhor é que pereça um homem do que uma nação degenere e pereça na incredulidade.

  14 E então quando eu, Néfi, ouvi estas palavras, lembrei-me das palavras que o Senhor me dissera no deserto: aSe a tua semente guardar os meus bmandamentos, cprosperará na dterra da promissão.

  15 Sim, e pensei também que eles não poderiam guardar os mandamentos do Senhor, segundo a lei de Moisés, a menos que tivessem a lei.

  16 Sabia também que a alei estava gravada nas placas de latão.

  17 E também sabia que o Senhor havia entregado Labão em minhas mãos por este motivo—para que eu pudesse obter os registros, de acordo com os seus mandamentos.

  18 Obedeci, portanto, à voz do Espírito e peguei Labão pelos cabelos e cortei-lhe a cabeça com sua própria aespada.

  19 E depois de ter-lhe cortado a cabeça com sua própria espada, tirei-lhe as vestimentas e coloquei-as sobre o meu próprio corpo; sim, cada uma delas; e cingi meus lombos com a sua armadura.

  20 E depois de haver feito isso, dirigi-me ao tesouro de Labão. E quando me dirigia ao tesouro de Labão, eis que vi o aservo de Labão que guardava as chaves do tesouro. E, com a voz de Labão, ordenei-lhe que me seguisse ao tesouro.

  21 E ele supôs que eu fosse seu amo Labão, porque viu as vestimentas e também a espada que eu levava à cintura.

  22 E falou-me a respeito dos anciãos dos judeus, pois sabia que seu amo, Labão, havia estado com eles durante a noite.

  23 E eu falei-lhe como se fora Labão.

  24 E disse-lhe também que eu levaria as gravações que estavam nas aplacas de latão a meus irmãos mais velhos, que estavam fora das muralhas.

  25 E também ordenei-lhe que me seguisse.

  26 E supondo ele que eu me referisse aos irmãos da igreja e que eu verdadeiramente fosse Labão, a quem eu havia matado, seguiu-me.

  27 E falou-me muitas vezes sobre os anciãos dos judeus, enquanto eu me dirigia para meus irmãos que estavam fora das muralhas.

  28 E aconteceu que quando me viu, Lamã ficou com muito medo e também Lemuel e Sam. E fugiram de mim, porque pensaram que eu fosse Labão e que ele me houvesse matado; e que procurasse também tirar-lhes a vida.

  29 E aconteceu que os chamei e eles me ouviram; portanto pararam de fugir de mim.

  30 E aconteceu que quando o servo de Labão viu meus irmãos, pôs-se a tremer e estava para fugir de mim e voltar para a cidade de Jerusalém.

  31 E agora eu, Néfi, sendo um homem de grande estatura e havendo também recebido muita aforça do Senhor, lancei-me sobre o servo de Labão e segurei-o, para que não fugisse.

  32 E aconteceu que eu lhe disse que, se ouvisse minhas palavras, assim como o Senhor vive e vivo eu, se ouvisse minhas palavras, poupar-lhe-íamos a vida.

  33 E disse-lhe, sob ajuramento, que não precisava temer; que seria um homem livre como nós, se descesse conosco ao deserto.

  34 E também lhe disse: Certamente o Senhor nos aordenou que procedêssemos assim; e não seremos diligentes em guardar os mandamentos do Senhor? Se quiseres, portanto, descer ao deserto, ao encontro de meu pai, terás lugar conosco.

  35 E aconteceu que aZorã criou coragem com minhas palavras. Ora, Zorã era o nome do servo; e ele prometeu que desceria para o deserto até o lugar onde estava nosso pai. Sim, e jurou também que permaneceria conosco daquele momento em diante.

  36 Ora, desejávamos que ele permanecesse conosco para que os judeus não soubessem de nossa fuga para o deserto, com receio de que nos perseguissem para destruir-nos.

  37 E aconteceu que quando Zorã nos fez o ajuramento, nossos temores cessaram a seu respeito.

  38 E aconteceu que tomamos as placas de latão e o servo de Labão e partimos para o deserto; e viajamos até a tenda de nosso pai.