Doutrina e Convênios

SEÇÃO 119

Revelação dada por intermédio de Joseph Smith, o Profeta, em Far West, Estado de Missouri, em 8 de julho de 1838, em resposta à seguinte súplica: “Ó Senhor! Mostra a teu servo quanto requeres dos bens de teu povo como dízimo. ” ( History of the Church 3:44). A lei do dízimo, como é compreendida hoje, não havia sido dada à Igreja antes desta revelação. O termo dízimo, na oração acima citada e em revelações anteriores (64:23; 85:3; 97:11), referia-se não exatamente à décima parte, mas a todas as ofertas voluntárias ou contribuições para os fundos da Igreja. O Senhor dera anteriormente à Igreja a lei de consagração e mordomia de bens, aceita pelos membros (principalmente os élderes dirigentes) por meio de um convênio que deveria ser eterno. Por muitos terem deixado de obedecer a este convênio, o Senhor revogou-o por um tempo e deu, em seu lugar, a lei do dízimo para toda a Igreja. O Profeta perguntou ao Senhor quanto requeria de seus bens para propósitos sagrados. A resposta foi esta revelação.

1–5, Os santos devem pagar o excedente de seus bens e depois dar, como dízimo, a décima parte de seus ganhos anualmente; 6–7, Esse procedimento santificará a terra de Sião.

  EM verdade assim diz o Senhor: Exijo que todos os seus bens aexcedentes sejam entregues nas mãos do bispo da minha igreja em Sião,

  Para a construção de minha acasa e para a colocação do alicerce de Sião e para o sacerdócio; e para as dívidas da Presidência de minha Igreja.

  E este será o início do adízimo de meu povo.

  E depois disso, os que assim tiverem pagado o dízimo pagarão a décima parte de toda a sua renda anual; e isto será uma lei permanente para eles, para meu santo sacerdócio, diz o Senhor.

  Em verdade vos digo: Acontecerá que todos os que se reunirem na terra de aSião darão seus bens excedentes como dízimo e observarão esta lei; caso contrário, não serão considerados dignos de habitar entre vós.

  E digo-vos: Se meu povo não observar esta lei para santificá-la e, por esta lei, não santificar a terra de aSião para mim, a fim de que nela sejam guardados os meus estatutos e os meus juízos, para que seja santíssima, eis que em verdade vos digo: Ela não será para vós uma terra de Sião.

  E isto será um modelo para todas as aestacas de Sião. Assim seja. Amém.