Doutrina e Convênios

SEÇÃO 93

Revelação dada por intermédio de Joseph Smith, o Profeta, em Kirtland, Estado de Ohio, em 6 de maio de 1833 ( History of the Church 1:343–346).

1–5, Todos os que forem fiéis verão o Senhor; 6–18, João prestou testemunho de que o Filho de Deus recebeu graça por graça até receber a plenitude da glória do Pai; 19–20, Os homens fiéis que avançarem de graça em graça também receberão de sua plenitude; 21–22, Os que são gerados por meio de Cristo são a Igreja do Primogênito; 23–28, Cristo recebeu a plenitude de toda a verdade e o homem, pela obediência, pode fazer o mesmo; 29–32, O homem estava, no princípio, com Deus; 33–35, Os elementos são eternos e o homem pode receber a plenitude da alegria na Ressurreição; 36–37, A glória de Deus é inteligência; 38–40, As crianças são inocentes perante Deus por causa da redenção de Cristo; 41–53, Ordena-se que os irmãos da liderança ponham ordem em suas famílias.

  EM verdade assim diz o Senhor: Acontecerá que toda alma que aabandonar seus pecados e vier a mim e binvocar meu nome e cobedecer a minha voz e guardar meus mandamentos dverá minha eface e saberá que eu sou;

  E que eu sou a verdadeira aluz que ilumina todo homem que vem ao mundo;

  E que eu estou ano Pai e o Pai em mim; e o Pai e eu somos um—

  O Pai, aporque me bdeu de sua plenitude, e o Filho, porque estive no mundo e fiz da ccarne meu tabernáculo e habitei entre os filhos dos homens.

  E estive no mundo e recebi de meu Pai; e as aobras dele foram claramente manifestadas.

  E aJoão viu e testificou a plenitude de minha bglória; e a plenitude do ctestemunhode João será revelada posteriormente.

  E ele testificou, dizendo: Vi sua glória, que ele era no aprincípio, antes de o mundo existir;

  Portanto no princípio era o aVerbo, pois ele era o Verbo, sim, o mensageiro da salvação—

  A aluz e o bRedentor do mundo; o Espírito da verdade, que veio ao mundo, porque o mundo foi feito por ele e nele estava a vida dos homens e a luz dos homens.

  10 Os mundos foram afeitos por ele; os homens foram feitos por ele; todas as coisas foram feitas por ele e por meio dele e dele.

  11 E eu, João, testifico que contemplei sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e verdade, sim, o Espírito da verdade, que veio e habitou na carne e habitou entre nós.

  12 E eu, João, vi que no princípio ele não recebeu da aplenitude, mas recebeu bgraça por graça;

  13 E a princípio não recebeu da plenitude, mas continuou de agraça em graça, até receber a plenitude;

  14 E assim foi chamado de aFilho de Deus, porque não recebeu da plenitude no princípio.

  15 E eu, aJoão, testifico e eis que se abriram os céus e o bEspírito Santo desceu sobre ele, na forma de uma cpomba, e pousou nele; e do céu ouviu-se uma voz que dizia: Este é meu dFilho amado.

  16 E eu, João, testifico que ele recebeu a plenitude da glória do Pai;

  17 E recebeu atodo o bpoder, tanto nos céus como na Terra; e a glória do cPai estava com ele, porque ele habitava nele.

  18 E acontecerá que, se fordes fiéis, recebereis a plenitude do testemunho de João.

  19 E dou-vos estas palavras, para compreenderdes e saberdes como aadorar e saberdes o que adorais, para que venhais ao Pai em meu nome e, no devido tempo, recebais de sua plenitude.

  20 Porque, se guardardes meus amandamentos, recebereis de sua bplenitude e sereis cglorificados em mim como eu o sou no Pai; portanto digo-vos: Recebereis dgraça por graça.

  21 E agora, em verdade vos digo: Eu estava no aprincípio com o Pai e sou o bPrimogênito;

  22 E todos os que são gerados por meu intermédio são aparticipantes da mesma bglória e são a igreja do Primogênito.

  23 Vós também no princípio estáveis acom o Pai; aquilo que é Espírito, sim, o Espírito da verdade;

  24 E a averdade é o bconhecimento das coisas como são, como foram e como serão;

  25 E o que for amais ou menos do que isto é o espírito daquele ser iníquo que é um bmentiroso desde o princípio.

  26 O Espírito da averdade é de Deus. Eu sou o Espírito da verdade e João prestou testemunho de mim, dizendo: Ele recebeu a plenitude da verdade, sim, de toda verdade;

  27 E homem algum recebe a aplenitude a não ser que guarde seus mandamentos.

  28 Aquele que aguarda seus mandamentos recebe verdade e bluz, até ser glorificado na verdade e cconhecer todas as coisas.

  29 O homem também estava no aprincípio com Deus. A binteligência, ou seja, a luz da verdade, não foi criada nem feita nem verdadeiramente pode sê-lo.

  30 Toda verdade é independente para aagir por si mesma na esfera em que Deus a colocou, como também toda inteligência; caso contrário, não há existência.

  31 Eis que isto é o alivre-arbítrio do homem e isto é a condenação do homem; porque aquilo que foi desde o princípio lhes é bclaramente manifestado e eles não recebem a luz.

  32 E todo homem cujo espírito não recebe a aluz está sob condenação.

  33 Pois o homem é aespírito. Os belementos são eternos, e espírito e elemento, inseparavelmente ligados, recebem a plenitude da alegria;

  34 E, quando aseparados, não pode o homem receber a plenitude da balegria.

  35 Os aelementos são o tabernáculo de Deus; sim, o homem é o tabernáculo de Deus, ou melhor, btemplos; e qualquer templo que for profanado, Deus destruirá esse templo.

  36 A aglória de Deus é binteligência ou, em outras palavras, cluz e verdade.

  37 A luz e a verdade rejeitam o ser amaligno.

  38 Todo espírito de homem era ainocente no princípio; e Deus, tendo bredimido o homem da cqueda, os homens tornaram-se outra vez, em sua infância, dinocentes perante Deus.

  39 E vem o ser maligno e atira a luz e a verdade dos filhos dos homens pela desobediência e por causa da btradição de seus pais.

  40 Eu, porém, ordenei que criásseis vossos afilhos em luz e verdade.

  41 Mas em verdade, meu servo Frederick G. Williams, digo-te: Continuas sob esta condenação;

  42 Não aensinaste luz e verdade a teus filhos, segundo os mandamentos; e aquele ser maligno ainda tem poder sobre ti, sendo essa a causa de tua aflição.

  43 E agora te dou um mandamento: Se quiseres ser libertado, terás que pôr em aordem tua própria casa, porque há muitas coisas que não estão certas em tua casa.

  44 Em verdade eu digo a meu servo Sidney Rigdon que, em algumas coisas, ele não guardou os mandamentos concernentes a seus filhos; portanto, que primeiro ponha em ordem sua casa.

  45 Em verdade eu digo a meu servo Joseph Smith Júnior ou, em outras palavras, chamar-vos-ei de aamigos, porque sois meus amigos e tereis uma herança comigo—

  46 Chamei-vos de aservos por causa do mundo e vós sois seus servos por minha causa—

  47 E agora, em verdade eu te digo, Joseph Smith Júnior: Tu não guardaste os mandamentos e necessário é que sejas arepreendido perante o Senhor.

  48 Tua afamília precisa arrepender-se e abandonar certas coisas e prestar mais atenção a tuas palavras; caso contrário, será removida de seu lugar.

  49 O que digo a um digo a todos; aorai sempre, para que o ser maligno não tenha poder em vós e não vos remova de vosso lugar.

  50 Também o meu servo Newel K. Whitney, bispo da minha igreja, precisa ser castigado e pôr em ordem sua família; e fazer com que sejam mais diligentes e interessados em casa e orem sempre; caso contrário serão removidos de seu alugar.

  51 Agora vos digo, meus amigos: Que meu servo Sidney Rigdon faça sua viagem rapidamente e proclame também o aano aceitável do Senhor e o evangelho de salvação, conforme as palavras que eu lhe inspirar; e pela oração unânime de vossa fé, sustentá-lo-ei.

  52 E que meus servos Joseph Smith Júnior e Frederick G. Williams também se apressem; e ser-lhes-á dado de acordo com a oração da fé; e se guardardes minhas palavras, não sereis confundidos neste mundo nem no mundo vindouro.

  53 E em verdade vos digo que é minha vontade que vos apresseis em atraduzir minhas escrituras e em bobter um cconhecimento de história e de países e de reinos, de leis de Deus e do homem; e tudo isso para a salvação de Sião. Amém.