New Experience
    Beta
    Precisamos Ser Dignos para Entrar no Templo
    Notas de rodapé

    2

    Precisamos Ser Dignos para Entrar no Templo

    “Seria o mais profundo desejo de meu coração que todo o membro da Igreja fosse digno do templo. Eu desejaria que todo membro adulto fosse digno—e portasse—uma recomendação para o templo, válida.” (Presidente Howard W. Hunter)

    Objetivo

    Ajudar os alunos a compreender que devem ser dignos para poderem entrar no templo.

    Preparação

    1. Com bastante antecedência, convide o bispo ou presidente do ramo para explicar à classe o processo para se receber uma recomendação para o templo. A seção “O Processo para Receber-se uma Recomendação para o Templo É uma Bênção”, nas páginas 10–11 contém sugestões para esta apresentação. Se o bispo não puder participar da aula, peça a um de seus conselheiros que faça a apresentação.

    2. Escreva a seguinte citação no quadro-negro ou em um cartaz: “Convido os membros da Igreja a seguirem com mais atenção o exemplo da vida de Jesus Cristo.” (Presidente Howard W. Hunter, Grandíssimas e Preciosas Promessas, A Liahona, janeiro de 1995, p. 7.)

    Apresentação da Lição

    Convide uma pessoa para oferecer a oração de abertura.

    Pergunte aos alunos se têm alguma dúvida. Use todo o tempo necessário para responder a todas as perguntas da melhor maneira possível, seguindo a orientação do Espírito. Lembre-se de que alguns aspectos do trabalho do templo não devem ser debatidos fora dele.

    Explique aos alunos que para entrar no templo precisamos demonstrar nossa fé no Pai Celestial e em Jesus Cristo, vivendo o evangelho e guardando os mandamentos. Precisamos ser moralmente limpos, obedecer à Palavra de Sabedoria, pagar integralmente o dízimo, santificar o Dia do Senhor e procurar viver retamente sob todos os outros aspectos. Devemos também ser entrevistados pelo bispo ou presidente do ramo e pelo presidente da estaca ou missão sendo considerados dignos de receber uma recomendação para o templo. Esta lição irá analisar alguns dos princípios do evangelho e mandamentos que os alunos devem cumprir para serem dignos de ir ao templo.

    Pureza Moral

    Explique aos seus alunos que o Senhor e Seus profetas nos ensinaram repetidamente a grande importância de sermos moralmente limpos. O Presidente Gordon B. Hinckley ensinou: “Cremos na castidade antes do casamento e fidelidade total após o casamento. Isso resume tudo. Esse é o caminho da felicidade na vida. É esse o modo de se ter satisfação. Traz paz ao coração e paz no lar”. (Porque Isto Não Se Fez em Qualquer Canto, A Liahona, janeiro de 1997, p. 56.)

    Leiam juntos as seguintes escrituras:

    • Doutrina e Convênios 42:22–24 (O Senhor nos ordenou que amássemos nossa esposa e não nos apegássemos a ninguém mais; deu-nos o mandamento de não cometer adultério.)

    • Doutrina e Convênios 121:45 (O Senhor nos ordenou: “que a virtude adorne (nossos) pensamentos incessantemente”.)

    • I Timóteo 4:12 (Devemos ser exemplos de pureza.)

    • 1 Néfi 10:21 (Nada impuro pode habitar com Deus.)

    • Regras de Fé 1:13 (Cremos em ser castos e virtuosos.)

    • Por que o Senhor dá tanta importância à pureza moral?

    • Quais são algumas das conseqüências da imoralidade que vemos no mundo à nossa volta? Quais são algumas das bênçãos de se viver uma vida moralmente pura?

    Chame a atenção dos alunos para a citação que você escreveu no quadro-negro ou em um cartaz. (Ver a seção “Preparação”, desta lição.)

    • De que modo nós e nossos filhos nos tornamos mais capazes de resistir às tentações do mundo e de viver uma vida moralmente pura seguindo esse conselho?

    Dízimo

    Peça aos alunos que leiam Doutrina e Convênios 119:4.

    Relate o que disse a Primeira Presidência a respeito de um dízimo adequado: “A declaração mais simples que conhecemos é a que o próprio Senhor nos deu, ou seja, que os membros da Igreja devem pagar ‘a décima parte de todos os seus lucros anuais’, que se entende por renda”. (Carta da Primeira Presidência, 19 de março de 1970.) O dízimo é utilizado para construir capelas e templos, financiar o trabalho missionário e edificar o reino de Deus na Terra.

    Cite a seguinte declaração do Presidente James E. Faust:

    “O dízimo é um princípio fundamental para a felicidade pessoal e bem-estar dos membros da Igreja, tanto ricos como pobres, em todo o mundo. O dízimo é um princípio de sacrifício e uma chave que abre as janelas do céu. (…)

    Os membros da Igreja que não vivem a lei do dízimo não perdem sua condição de membro; apenas perdem bênçãos.” (James E. Faust, A Liahona, janeiro de 1999, págs. 67–68.)

    Examine com os alunos as seguintes escrituras:

    • Levítico 27:30 (O dízimo pertence ao Senhor; ele é santo para o Senhor.)

    • Malaquias 3:8–11 (Roubamos a Deus quando deixamos de pagar o dízimo; Deus abençoará abundantemente os que pagarem o dízimo.)

    • Que bênçãos vocês receberam por terem pago o dízimo?

    • Por que roubamos a Deus quando não pagamos o nosso dízimo? (Ver D&C 104:14.)

    Explique aos alunos que a cada ano os membros são chamados para uma entrevista com seu bispo ou presidente do ramo para o acerto do dízimo; nessa entrevista eles lhe declaram se pagam um dízimo integral. Essa entrevista concede ao membro uma oportunidade de avaliar seu cumprimento desse importante mandamento.

    A Palavra de Sabedoria

    Explique aos alunos que antes de entrarmos no templo, o Senhor espera que estejamos livres de hábitos que nos impeçam de ter uma vida pura e saudável, tanto espiritual como fisicamente.

    Leia umas ou todas as escrituras abaixo:

    • I Coríntios 3:16–17 (Nosso corpo é um templo de Deus e não deve ser profanado.)

    • Doutrina e Convênios 89 (Esta revelação é conhecida como A Palavra de Sabedoria. Os versículos 1–9 explicam as coisas que não devemos ingerir; os versículos 10–17 mencionam as coisas que são boas para o nosso corpo; os versículos 18–21 descrevem as promessas do Senhor aos que cumprem Seus mandamentos.)

    • Que coisas no mundo atual nos induzem a quebrar os mandamentos incluídos na Palavra de Sabedoria?

    • Como podemos guardar as leis de saúde do Senhor e ajudar nossos filhos a fazerem o mesmo?

    Peça aos alunos que leiam Doutrina e Convênios 29:34.

    • De que modo acham que a Palavra de Sabedoria pode abençoar-nos tanto espiritual como fisicamente?

    • Quais são alguns dos “grandes tesouros de conhecimento” (D&C 89:19) poderemos receber se guardarmos esses mandamentos?

    Cite a seguinte declaração do Presidente Boyd K. Packer:

    “O que aprendeis espiritualmente depende, em parte, de como cuidais de vosso corpo. É por isso que a Palavra de Sabedoria é tão importante.

    As substâncias que causam dependência e que foram proibidas por revelação—chá, café, bebidas alcoólicas, fumo—interferem nos delicados sentimentos da comunicação espiritual, assim como outras drogas que viciam.

    “Não ignoreis a Palavra de Sabedoria, pois isto poderá custar-vos grandes tesouros de conhecimento, até mesmo tesouros ocultos prometidos a todos os que a cumprem, além da bênção adicional da boa saúde.” (Revelação Pessoal: O Dom, o Teste e a Promessa, A Liahona, janeiro de 1995, p. 66.)

    O Dia do Senhor

    Leiam juntos Êxodo 20:8–11.

    Explique aos alunos que sempre foi ordenado ao povo do Senhor que santificasse o dia de descanso. O Senhor prometeu grandes bênçãos aos que cumprissem esse mandamento.

    Peça aos alunos que leiam Doutrina e Convênios 59:9–13.

    • Quais são algumas das razões principais que o Senhor deu para que guardássemos o Dia do Senhor?

    • De que maneiras pode Doutrina e Convênios 59:9–13 orientar nossa observância do Dia do Senhor?

    • Quais são algumas das bênçãos prometidas aos que observam adequadamente o Dia do Senhor?

    Como parte deste debate, apresente os seguintes princípios ensinados pelo Élder James E. Faust:

    “Por que Deus nos pediu que guardássemos o Dia do Senhor? A meu ver, existem pelo menos três razões. A primeira está ligada à necessidade física de descanso e renovação.

    Em minha opinião, a segunda razão tem um significado bem mais amplo. É a necessidade de renovação e fortalecimento de nosso espírito.

    A terceira razão é a mais importante. É a obediência aos mandamentos como expressão de nosso amor a Deus. Abençoados são os que não precisam de outros motivos, senão do amor ao Salvador, para guardar Seus mandamentos.” (O Dia do Senhor, A Liahona, janeiro de 1992, pp. 38–39.)

    • Quais são algumas das bênçãos que vocês receberam por santificarem o Dia do Senhor?

    Peça aos alunos que se comprometam a viver os mandamentos debatidos hoje: pureza moral, dízimo, a Palavra de Sabedoria e a observância do Dia do Senhor. Eles estarão assim mais bem preparados para freqüentar o templo e receberão as bênçãos do Senhor mais abundantemente.

    O Processo para Receber-se uma Recomendação para o Templo É uma Bênção

    Explique aos alunos que antes de poderem entrar no templo, os membros precisam ser considerados dignos de receber uma recomendação para o templo. Como explicado na declaração a seguir, o processo para receber-se uma recomendação pode abençoar a vida de cada pessoa:

    “O bispo tem a responsabilidade de fazer perguntas para avaliar nossa dignidade pessoal. Essa entrevista é de grande importância para você como membro da Igreja, pois é a ocasião em que irá examinar, juntamente com um servo ordenado do Senhor, o curso de sua vida. Se houver algo de errado em sua vida, o bispo será capaz de ajudá-lo a resolver o problema. Por meio desse procedimento, aconselhando-se com o juiz comum em Israel, você poderá declarar ou ser ajudado a desenvolver sua dignidade para entrar no templo com a aprovação do Senhor.” (Preparação para Entrar no Templo Sagrado, pág. 3.)

    Explique aos alunos que o bispo ou presidente do ramo e o presidente da estaca ou missão entrevistam todos os que estejam desejando uma recomendação para o templo pela primeira vez e àqueles que estão planejando casar-se no templo. Os conselheiros no bispado e na presidência da estaca podem entrevistar os que procuram a renovação de sua recomendação para o templo.

    Neste ponto da aula, peça ao bispo ou um dos conselheiros no bispado que fale à classe sobre as recomendações para o templo. O bispo não deve ler as perguntas da entrevista para o grupo, mas pode dar uma idéia aos alunos do que podem esperar quando forem entrevistados para uma recomendação para o templo. As seguintes declarações podem ser usadas como guia:

    Os membros que desejem receber uma recomendação para o templo devem ter testemunho do Pai Celestial, do Senhor Jesus Cristo e do Espírito Santo. Devem apoiar o profeta do Senhor, as outras Autoridades Gerais e os líderes locais da Igreja. Não devem ser simpatizantes ou filiados a grupos ou pessoas que apostataram da Igreja ou cujos ensinamentos e práticas sejam contrários ao evangelho.

    Devem freqüentar com assiduidade a reunião sacramental, a reunião do sacerdócio e outras reuniões da Igreja. Devem estar diligentemente procurando cumprir os chamados que receberam por meio da autoridade do sacerdócio. Devem estar esforçando-se por cumprir todos os mandamentos do Senhor, incluindo o pagamento integral do dízimo, a honestidade em palavras e ações, e a abstinência de chá, café, álcool, fumo e outras substâncias nocivas e que causem dependência.

    Devem levar uma vida pura e virtuosa e obedecer a lei de castidade dada pelo Senhor, que proíbe toda relação sexual que não seja entre marido e mulher, legalmente casados. Devem viver em harmonia com os princípios do evangelho no convívio espiritual e físico com os familiares. Não devem ter qualquer envolvimento em maus-tratos físicos, mentais, espirituais ou emocionais a outras pessoas.

    Devem confessar voluntariamente seus pecados e abandoná-los. Bem antes de uma entrevista de uma recomendação para o templo, devem confessar ao bispo ou presidente do ramo os pecados graves como transgressões morais, maus-tratos a familiares, associação com grupos ou práticas apóstatas ou graves violações das leis do país. Se a consciência, que é a Luz de Cristo concedida a todos, deixar dúvidas na mente de uma pessoa quanto à necessidade de conversar com o bispo ou presidente do ramo sobre determinado assunto, é isso que provavelmente deverá fazer.

    Os divorciados precisam da liberação do bispo ou presidente do ramo e do presidente da estaca ou missão para receberem uma recomendação para o templo. Essas pessoas devem estar cumprindo as determinações judiciais do divórcio, incluindo o pagamento em dia de pensões.

    Os membros que procuram receber uma recomendação para o templo devem ser entrevistados por um membro da presidência da estaca ou pelo presidente da missão, depois de serem entrevistados por um membro do bispado ou pelo presidente do ramo. Alguns podem ficar imaginando por que isso é necessário. Ao solicitarmos uma recomendação para o templo, estamos, na verdade, pedindo permissão ao Senhor para entrar no templo. Temos o privilégio de confirmar nossa dignidade perante duas testemunhas, que são servos autorizados do Senhor. É uma bênção poder declarar aos servos do Senhor nossa dignidade de entrar no templo sagrado.

    “Convido todos os membros da Igreja a estabelecerem o templo do Senhor como o grande símbolo de sua condição de membro e o cenário celestial de seus convênios mais sagrados.” (Presidente Howard W. Hunter)

    Conclusão

    Para ressaltar a importância de sermos dignos de entrar no templo e de sempre carregarmos conosco uma recomendação atualizada para o templo, leia a seguinte declaração do Presidente Howard W. Hunter:

    “Convido os santos dos últimos dias a olharem para o templo do Senhor como o grande símbolo de sua associação na Igreja e o cenário celestial de seus convênios mais sagrados. Seria o mais profundo desejo de meu coração que todo membro da Igreja fosse digno do templo, eu desejaria que todo membro fosse digno—e portasse uma recomendação válida para o templo, mesmo se não morardes perto de um templo e, portanto, não puderdes visitá-lo com freqüência.” (Citado por Jay M. Todd. “President Howard W. Hunter”, Ensign, julho de 1994, p.5.)

    Preste testemunho das bênçãos que recebeu por viver de modo a ser digno de freqüentar o templo.

    Convide uma pessoa para fazer a oração de encerramento.