• Home
  • LDS.org
  • O Que a Igreja Ensina a Respeito do Arbítrio

O Que a Igreja Ensina a Respeito do Arbítrio


“A Plenitude do Evangelho: Arbítrio”, A Liahona, março de 2006

“Um princípio básico do cristianismo é o de que Deus concedeu a Seus filhos o livre-arbítrio, a capacidade e o privilégio de escolher. Mas o conceito de arbítrio, ensinado no Livro de Mórmon e pelos profetas e apóstolos modernos em relação a outras verdades do evangelho, é uma doutrina rica em poder e eterna em suas implicações.”

“O Livre-Arbítrio É Essencial Para Nosso Progresso Eterno”, A Liahona, junho de 2010

“O Pai Celestial concedeu-nos o livre-arbítrio. A possibilidade de escolhermos por nós mesmos é parte essencial do plano de salvação.”

Robert D. Hales, “Arbítrio: Essencial ao Plano de Vida”, A Liahona, novembro de 2010

“Ter arbítrio é agir com comprometimento e ter responsabilidade por nossas ações. Nosso arbítrio é essencial ao plano de salvação. Com ele, somos “livres para escolher a liberdade e a vida eterna por meio do grande Mediador de todos os homens, ou para [escolher] o cativeiro e a morte, de acordo com o cativeiro e o poder do diabo. ”

RobertD. Hales, “Agir por Nós Mesmos: O Dom e as Bênçãos do Arbítrio”, A Liahona, maio de 2006.

“O arbítrio, usado com retidão, permite que a luz disperse a escuridão e nos capacite a viver com alegria e felicidade.”

Wolfgang H. Paul, “O Dom do Arbítrio”, A Liahona, maio de 2006

“À medida que obedecemos aos mandamentos de nosso Pai Celestial, nossa fé aumenta, crescemos em sabedoria e força espiritual, e cada vez se torna mais fácil fazer as escolhas certas.”

“Arbítrio e Responsabilidade”, em Para o Vigor da Juventude

“Seu Pai Celestial deu-lhes o arbítrio, a capacidade de escolher entre o certo e o errado e de agir por si mesmos. Foi-lhes conferido o Espírito Santo para ajudá-los a distinguir o bem do mal. Enquanto estão aqui na Terra, estarão sendo provados para verificar se usarão, ou não, seu arbítrio para demonstrar amor a Deus, guardando os Seus mandamentos.”

“Liberdade de Escolha”, em Princípios do Evangelho

O capítulo 4 do manual de Princípios do Evangelho fornece um panorama básico do princípio do arbítrio.

Donald L. Hallstrom, “Usar o Arbítrio com Sabedoria”, A Liahona, janeiro de 2006

“O arbítrio moral, o dom de escolher por si mesmo, é fundamental para o grande plano de felicidade do Pai Celeste. Como o Senhor disse a Adão: 'E a [teus filhos] é dado distinguir o bem do mal, de modo que são seus próprios árbitros' (Moisés 6:56).”

Charles W. Dahlquist II, “Dezoito Maneiras de Conservar o Vigor”, A Liahona, outubro de 2008

“Escolham a retidão e a felicidade, não importa quais sejam as circunstâncias. Assumam a responsabilidade pelas escolhas que fizerem. Desenvolvam suas habilidades e talentos, e usem-nos para o bem. Evitem a ociosidade e estejam dispostos a trabalhar muito.”

M. Russell Ballard, “Quão Astuto É o Plano do Maligno”, A Liahona, novembro de 2010

“A batalha pelo arbítrio dado por Deus continua até hoje.”

Thomas S. Monson, “Escolham Hoje”, A Liahona, novembro de 2004

“As escolhas que fazemos determinam nosso destino.”

James E. Faust, “As Forças Que Nos Salvarão”, A Liahona, janeiro de 2007

“O arbítrio que nos foi dado por meio do plano de nosso Pai é a grande alternativa ao plano de imposição de Satanás. Com esse sublime dom podemos crescer, progredir e buscar a perfeição. Sem o arbítrio, nenhum de nós poderia crescer e desenvolver-se, aprendendo com nossos enganos e erros e com os de outras pessoas.”

David A. Bednar, “Você Sabia?” A Liahona, setembro de 2009

“Os propósitos fundamentais para o dom do arbítrio eram o de amar uns aos outros e o de escolher a Deus.”

M. Russell Ballard, “Oh! Sede Sábios!”, A Liahona, novembro de 2006

“Como o princípio eterno do arbítrio nos dá a liberdade de escolher e pensar por nós mesmos, devemos tornar-nos cada vez mais capazes de resolver problemas. Talvez cometamos erros ocasionalmente, mas enquanto estivermos seguindo os princípios do evangelho e as diretrizes, poderemos aprender com esses erros e tornar-nos mais compreensivos para com os outros e mais eficazes ao servir as pessoas.”

Dieter F. Uchtdorf, “Com Asas de Águia”, A Liahona, julho de 2006

“Vocês têm o arbítrio e a liberdade de escolha. Mas na verdade, o arbítrio não é livre no sentido de gratuito. O arbítrio tem seu preço. Precisam arcar com as consequências de suas escolhas.”