Fotógrafo em Destaque

Jamie D. Johnson, Arizona

O que primeiro lhe interessou na arte de fotografar?

Meu interesse pela fotografia começou quando fiquei responsável pela elaboração do anuário da classe, no curso médio. Naquela época, a maior parte de meu trabalho era tirar fotos de assuntos específicos relacionados com as atividades da escola. Minha paixão por fotografias de exteriores começou quando servia missão no Chile. Adquiri grande apreço pelas belezas do mundo e pelas criações de Deus.

Há quanto tempo você é fotógrafo?

A maior parte de meu trabalho foi nos últimos 10 anos. Adquiri interesse pela fotografia quando estava no curso médio, mas só fui descobrir meu talento mais tarde na vida.

Qual é sua especialidade em fotografia?

A maior parte de meu trabalho é com fotografia de exteriores. Isso me dá a oportunidade de estar perto das criações de Deus e trabalhar com iluminação natural.

Como você veio a se interessar por enviar suas fotos para a Igreja?

Minha mulher leu um artigo no Mormon Times dizendo que a Igreja estava à procura de membros que enviassem fotos para serem usadas pela Igreja e por seus membros. Ela me incentivou a enviar alguns trabalhos meus. Aceitei o desafio e assumi a tarefa de enviar fotos de locais históricos da Igreja, templos que visitamos e capelas históricas.

Como você decide o que e como fotografar?

Meu equipamento fotográfico vai comigo a toda parte. Todas as férias da família terminam com uma foto de um templo ou de outro local histórico da Igreja.

Como você se sente por poder usar a fotografia para edificar o reino ou compartilhar o evangelho?

Cada um de nós tem um talento. Demorei alguns anos para descobrir meu talento de fotografar. O Senhor me abençoou com meu talento. Cabe a mim decidir o que fazer com ele. Compartilhei uma colagem de fotos de borboletas com alguns amigos. Como foto central, usei uma fotografia das copas das árvores do Bosque Sagrado. Meus amigos ficaram impressionados com as fotos das borboletas. Contudo, houve mais comentários sobre seus sentimentos ao verem a fotografia do Bosque Sagrado. Não há dúvida que o testemunho pode ser compartilhado por meio de palavras, hinos e fotografia. Quando as pessoas olharem meu trabalho, espero que vejam a beleza das criações de Deus, sintam o Espírito que sentimos ao olhar para um templo e sintam a luz.

O que na arte de fotografar o inspira?

Há vários anos, tive a oportunidade de jantar com um fotógrafo freelance que trabalhava para a National Geographic. Uma dica que ele me deu foi a perspectiva, e olhar para a luz. Olhar para a luz tem sido minha inspiração. O modo como a luz incide sobre qualquer objeto a ser fotografado torna uma foto comum em uma obra prima. Sem luz, não haveria nada para fotografar. Quando a luz incide sobre o objeto, ele irradia seu pleno potencial. Também irradiamos como pessoas quando permitimos que aquele que nos dá toda luz, nosso Salvador, esteja conosco. Então, nos elevamos a nosso pleno potencial e nos tornamos uma obra prima em Suas mãos.

Que parte da arte de fotografar é mais recompensadora?

Ver alegria, paz e felicidade no rosto de uma pessoa que vê meu trabalho, sabendo que o Espírito testifica para ela a respeito das criações de Deus.

Qual foi uma experiência pessoal ou lembrança favorita ao tirar fotos?

Nossa família inteira estava em Palmyra, Nova York, em 2007. Estávamos sentados no quarto de cima da casa de toras de Joseph Smith, lendo sua história, quando minha mulher chamou-nos a atenção para aquela data, 22 de setembro de 2007, que era o aniversário de 180 anos de quando Joseph recebeu as placas. Como éramos os únicos visitantes na casa de toras naquela manhã, o guia permitiu que saíssemos pelos fundos da casa e seguíssemos a trilha que o jovem Joseph deve ter seguido até o Bosque Sagrado. Mais tarde, subimos o monte Cumôra.

Onde é seu local preferido para fotografar?

Qualquer templo no pôr do sol.

Que conselho daria para um fotógrafo iniciante?

Nunca esconda seu talento. Quanto mais você compartilhar seu talento, mais abençoado será, e seu talento se expandirá muito mais do que você sonhou.

Você edita muito suas fotos?

Não faço nenhuma alteração em minhas fotos externas. Sinto que a luz natural e o assunto a ser fotografado devem ser preservados da forma como o olho os vê. Sim, já removi algumas rugas e manchas quando tiro retratos.