Pular para a Navegação Principal
Jovens Menu

Trocar a Música

Sarah K. Perry

Nunca tinha percebido como a música que eu ouvia podia me influenciar. Mas, a missão de meu irmão colocou-me em um caminho de maior felicidade.

Eu costumava ouvir música o tempo todo. A música me acordava para ir ao seminário e depois continuava para ir à escola. Não conseguia dirigir se não tivesse um CD para ouvir. Contudo, as músicas que eu ouvia não eram agradáveis. Não chegavam a ser ruins; no entanto, não faziam me sentir bem.

Só escutava porque era legal. Como sempre ouvia a mesma coisa, nunca estava muito bem. A música mudava a forma como eu fazia tudo, assim como a maneira que eu via o mundo e as pessoas. Não sabia como quebrar esse ciclo de emoções negativas. Já fazia parte da minha identidade e não conseguia ver uma saída.

Quando meu irmão foi para a missão, fiquei impressionada com sua disposição imediata de aceitar um estilo de vida tão rígido. Ele não poderia escolher o que ouvir nem ler durante dois anos. Pensei sobre a música que eu ouvia e sobre como eu poderia me sentir muito melhor. Decidi que se meu irmão podia viver dois anos ouvindo apenas hinos e músicas da primária, então eu podia pelo menos reavaliar as músicas que costumava escutar.

Foi difícil, mas assim que me decidi, dei alguns de meus CDs e joguei outros fora. Aquelas músicas faziam parte da minha identidade do ensino médio, mas o exemplo de meu irmão me deu coragem para mudar.

Durante nove meses consecutivos ouvi apenas músicas clássicas, instrumentais e tranquilas. Logo notei que estava mais feliz, podia pensar mais claramente e meus dias tinham ficado mais agradáveis. Além disso, estava mais preparada para sentir o Espírito e aprender durante o seminário todas as manhãs. Passei a olhar a vida de uma forma muito melhor.

Depois que meu irmão voltou da missão, fui aos poucos voltando a ouvir algumas músicas populares, mas não ouvi mais músicas negativas, com ritmo forte ou palavras vulgares. Depois que passei por esse período de ‘limpeza musical’, ficou mais fácil perceber como a música afeta o modo de pensar e sentir. Agora escolho músicas que fazem me sentir bem em vez de músicas legais ou da moda. Sei que essa decisão trouxe de volta o Espírito a minha vida. Devido à companhia do Espírito, sinto-me mais leve, mais feliz e aproveito muito mais minha vida.

Interferência nos Canais de Comunicação Espiritual

“O mundo está ficando cada dia mais barulhento. (…) Música estridente, com letras obscenas, explode nos amplificadores e [tem] ampla aceitação e influência sobre a nossa juventude. (…)

Essa tendência por mais ruído, maior excitação, mais balbúrdia, menos restrições, menos dignidade, menos formalidade, não é incomum, inocente ou inofensiva.

A primeira ordem de um comandante que planeja uma invasão militar é a interferência nos canais de comunicação daqueles a quem pretende conquistar.

A irreverência se adapta aos propósitos do adversário, obstruindo os delicados canais da revelação, tanto da mente como do espírito” (Boyd K. Packer”, A Reverência Convida à Revelação”, Conferência Geral de outubro de 1991).

Erro no envio de formulário. Certifique-se de que todos os campos estejam preenchidos corretamente e tente novamente.

 
1000 caracteres restantes