Pular para a Navegação Principal
Jovens Menu

Conexões Familiares Eternas

Hannah Marie Mathison

“Ele Vive”

16 anos, Utah

Óleo sobre tela

A pintura de Hannah Mathison, “Ele vive”, reflete o seu testemunho de uma família eterna. A pintura tem um significado especial para ela por causa do falecimento de seus avós.

Hannah, 16, quis mostrar que por meio das ordenanças do templo podemos ser unidos como famílias por toda a eternidade, não importa o tipo de provações ou dificuldades que enfrentemos na vida. “No fundo da tela há uma tempestade”, diz ela. “Podemos optar por deixar que a tempestade nos destrua ou usá-la para nos levar para mais perto de Deus. O templo brilha mesmo durante a tempestade. Eu queria mostrar o reflexo do céu no templo e mostrar que podemos compartilhar nossas cores e influenciar as outras pessoas. Podemos nos erguer, brilhar e influenciar a vida das pessoas, assim como o templo influencia nossa vida”.

Aprenda mais sobre por que fazemos trabalho do templo e da história da família.

“Para mim, este quadro significa que tudo vai dar certo e, que Deus está sempre com você dando consolo sempre que você passar por necessidade”.

A pintura a óleo do Templo de Salt Lake, feita por Hannah, é uma forma dela se conectar com sua família. “Enquanto meu avô ainda estava na Terra, se você perguntasse para ele qual era sua cor favorita, ele dizia: ‘céu azul-rosado’. É por isso o fundo de minha pintura é um céu azul-rosado. Eu queria pintar algo que tivesse um significado especial para mim e para meu pai. O templo brilha em meio ao céu tempestuoso. Para mim, este quadro significa que tudo vai dar certo e, que Deus está sempre com você dando consolo sempre que você passar por necessidade”.

Assista a um vídeo sobre como a história da família pode trazer proteção espiritual importante para você.

Ao mesmo tempo em que a pintura foi inspirada pela morte de seu avô, ela lhe consolou quando sua avó faleceu.

“Quando eu estava pintando este quadro”, diz Hannah, “minha avó faleceu e voltou para o seu Pai Celestial e para meu avô, que me dera a inspiração para fazer essa pintura em primeiro lugar. O falecimento da minha avó foi difícil para mim, mas toda vez que trabalhava no meu quadro, ele me lembrava o motivo principal de eu estar fazendo a minha pintura. Ele me deu consolo enquanto eu pensava sobre a bênção maravilhosa que temos do trabalho do templo, de modo que nós, como famílias, podemos viver juntos para sempre”.

Assista a vídeos com as experiências de outros jovens que foram abençoados ao aprenderem sobre a história da família.

Quando a sobrinha de Hannah completou doze anos e estava indo realizar batismos pelos mortos pela primeira vez, a família achou que seria especial se ela pudesse levar alguns nomes da família. “Eu e minha irmã fomos pesquisar para ver se poderíamos encontrar alguns nomes da família que poderíamos levar ao templo para fazer batismos”, diz Hannah. “Muito do trabalho de nosso família já foi feito, mas conseguimos encontrar uma avó várias gerações atrás, e seu pai, por quem não havia sido feito nenhum trabalho do templo. Meu pai e minha sobrinha conseguiram levar seus nomes com eles ao templo e realizar batismos. Foi uma experiência muito legal para nossa família porque nunca havíamos feito nada parecido antes. Você podia realmente sentir o espírito e a proximidade de nossa família naquele dia”.

Explore os cinco passos para encontrar um nome da família e levá-lo ao templo.

“A arte é minha paixão!“ diz Hannah. “Eu adoro envolver os princípios da Igreja em minhas pinturas. Isso me lembra que foi o Pai Celestial quem me deu esses talento e capacidade e, é minha escolha se eu quero ou não compartilhá-lo e é claro que eu compartilho! A arte me ajuda a sentir o amor que o Salvador tem por mim e, é uma maneira de demonstrar também o amor que tenho por Ele. Meu testemunho fica mais forte com cada pintura e desenho que faço”.

Erro no envio de formulário. Certifique-se de que todos os campos estejam preenchidos corretamente e tente novamente.

 
1000 caracteres restantes