As barras de menu do LDS.org mudaram. Saiba mais. fecha
Pular para a Navegação Principal
Jovens Menu

Mais Que um Mero Coadjuvante

Você acha que é um mero coadjuvante no ensino familiar? Pense bem.

Você já deve ter visto a cena em filmes ou romances inúmeras vezes. Há um problema enorme e assustador que paira como uma nuvem negra no horizonte. O desastre parece inevitável. Mas logo surge o herói que, contra tudo e contra todos, salva o dia.

Esses heróis muitas vezes vêm acompanhados por um ajudante. Esse personagem costuma ter algumas habilidades básicas, mas sua principal função é jogar uma arma para o herói, quando começam a surgir vilões aos montes.

Como companheiro júnior no ensino familiar, você pode ser tentado a considerar-se uma espécie de coadjuvante na dupla. Afinal, seu companheiro adulto tem mais idade e experiência do que você. Assim, cabe a ele salvar o dia, certo?

Não é bem assim.

No tocante ao ensino familiar, não há algo como um super-herói (seu companheiro mais antigo) e seu ajudante (você) — há simplesmente dois super-heróis que podem verdadeiramente mudar o mundo juntos.

A despeito de quem você seja e de quais forem suas circunstâncias, você pessoalmente tem condições de fazer uma grande diferença na vida das pessoas a quem visita.

Não Há Maior Chamado

O Presidente Ezra Taft Benson (1899–1994) afirmou: “Não há maior chamado na Igreja do que o de mestre familiar”.

Os mestres familiares fazem muito mais do que deixar uma mensagem espiritual. Eles ajudam cada família a saber que tem amigos aos quais podem recorrer.

“Um amigo faz mais do que uma simples visita mensal para cumprir sua obrigação. (…) Um amigo preocupa-se com a pessoa. Um amigo ama. Um amigo escuta. E um amigo realmente estende a mão para ajudar.” — Presidente Thomas S. Monson

O Presidente Thomas S. Monson afirmou: “Um amigo faz mais do que uma simples visita mensal para cumprir sua obrigação. (…) Um amigo preocupa-se com a pessoa. Um amigo ama. Um amigo escuta. E um amigo realmente estende a mão para ajudar”.

Naturalmente, grandes amizades podem surgir em qualquer idade.

Servir Como Amigo

Sean C., de 16 anos, do sul de Utah, EUA, sabe ser amigo e também mestre familiar. Sean tem uma ampla gama de interesses, entre eles competir em rodeios, lutar, cuidar do gado e consertar carros. Também adora cultivar amizades com as pessoas a quem visita como mestre familiar.

“Adoro conversar com as pessoas e ver o que posso fazer para ajudá-las”, diz Sean.

Seu companheiro de ensino familiar é o bispo da ala. Num dos lares que eles visitam, a esposa é membro da Igreja, e o marido não. Sean simpatizou com o marido, Floyd, logo na primeira visita. Quando Floyd começou a falar de seu jipe, Sean empolgou-se. “Descobrimos afinidades instantâneas”, conta Sean.

No ano em que Sean e o bispo visitaram Floyd e a esposa, Sean fortaleceu essa amizade — chegou até a ajudar Floyd a consertar motores em algumas ocasiões.

Uma das escrituras favoritas de Sean diz respeito ao serviço: “Quando estais a serviço de vosso próximo, estais somente a serviço de vosso Deus” (Mosias 2:17).

Sean explica: “Todos nós devemos estar sempre à procura de maneiras de servir”.

Seus Dons Espirituais

Todos nós temos dons e talentos espirituais. Além disso, temos interesses e passatempos únicos. Cada um de nós tem algo especial para oferecer que ninguém mais pode fazer do mesmo jeito.

“Toda pessoa é diferente e tem uma contribuição diferente a fazer”, ensina o Presidente Henry B. Eyring, Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência. “Ninguém está destinado a fracassar”. O ensino familiar pode ser uma oportunidade para você usar esses dons em benefício de outros.

Encontre dicas sobre como você pode fazer uma diferença para as famílias que você ensina.

Quando, por exemplo, for sua vez de deixar uma mensagem espiritual, pode orar antes para saber o que dizer, a fim de ajudar melhor as pessoas que visitar.

Com frequência, você terá uma experiência pessoal com determinado assunto que poderá mencionar à família. Deixe sua luz brilhar! Compartilhe o que sabe.

Você pode também encontrar formas originais e significativas de servir às famílias que visita. Suponha, por exemplo, que alguém numa de suas famílias designadas queira aprender a tocar violão. Por coincidência, você já toca há vários anos. Nessa situação, dar dicas musicais de vez em quando pode ser tão útil quanto tirar o excesso de neve da entrada da casa ou podar as árvores do quintal da família.

No ensino familiar, seu companheiro sênior pode, de fato, ser uma usina de força espiritual. Mas não se iluda. Você é um filho de Deus e está à altura de sua responsabilidade como mestre familiar.

Você sempre terá algo incrível com que contribuir.

Entre na Conversa

Ao longo de dezembro, suas aulas dominicais estarão voltadas para a edificação do reino de Deus. O ensino familiar é um modo de fazer isso, mas todos podem construir o reino de Deus por meio de atos diários de serviço. Ao orar pelos outros, o Espírito pode trazer-lhe à mente algo que pode fazer. Lembre-se deste conselho da irmã Linda K. Burton, presidente geral da Sociedade de Socorro: “Primeiro observar e depois servir”. De que modo você encontrou maneiras de observar e, em seguida, de servir na edificação do reino de Deus?

Compartilhe suas experiências em sua ala, com sua família, com outros jovens, ou clicando em Compartilhe sua experiência abaixo.

Erro no envio do formulário. Certifique-se de que todos os campos estejam preenchidos corretamente e tente novamente.

 
1000 caracteres restantes