Pular para a Navegação Principal
Jovens Menu

Verdade, Mentiras e Sua Autoestima

Mindy Raye Friedman Revistas da Igreja

Não deixe que o mundo lhe diga quando deve sentir-se bem a respeito de si mesmo.

Um novo ano traz sentimentos de um começo estimulante e novas esperanças, mas também proporciona uma onda de mensagens mundanas, dizendo-lhe que um novo ano requer um novo você. Essas mensagens dizem que você só pode ser feliz, se perder peso, adquirir roupas novas, encontrar mais amigos e assim por diante. Você ouve essas mensagens na mídia, na escola e, às vezes, das pessoas mais próximas.

O problema com essas mensagens é que não são verdadeiras. Se você examiná-las de perto, descobrirá que o verdadeiro motivo por trás das mensagens é geralmente convencê-lo a comprar algo com seu dinheiro ou seu tempo. Mas você não precisa fazê-lo!

“Seu Pai Celestial as[os] ama — ama a cada uma[um] de vocês. Esse amor nunca muda. Não é influenciado por sua aparência, por suas posses ou pelo dinheiro que vocês têm em sua conta bancária. Não muda por causa de seus talentos ou de sua capacidade.” — Presidente Thomas S. Monson

Mudar sua aparência física ou bens materiais pode fazê-lo sentir-se melhor por um tempo, mas realmente não faz nada para mudar seu valor ou sua felicidade eterna. Isso acontece porque o seu valor já está estabelecido. O Presidente Thomas S. Monson ensinou: “Seu Pai Celestial as[os] ama — ama a cada uma[um] de vocês. Esse amor nunca muda. Não é influenciado por sua aparência, por suas posses, ou pelo dinheiro que vocês têm em sua conta bancária. Não muda por causa de seus talentos ou de sua capacidade. (...) O amor de Deus está lá para vocês, quer sintam que o mereçam ou não. Ele está sempre lá, simples assim” (“Nunca Andamos Sozinhos”, “A Liahona, novembro de 2013, pp. 123–24). Você é um filho de Deus. Você já tem infinito valor, e isso não muda. Por isso é importante entender como você pode reconhecer essas falsas mensagens sobre autoestima e combatê-las com a verdade do evangelho.

Mentiras do Mundo vs. Verdades do Evangelho

Mentira: Seu valor é determinado por parecer e agir da maneira do mundo.

Acreditar nessa mentira significa que você está deixando que as influências mundanas determinem quando você se sentirá bem consigo mesmo. Então, você terá que mudar constantemente, a fim de adequar-se aos ideais mundanos, que são inconsistentes e temporários. O Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos, alertou: “Quando escolhemos definir-nos ou a apresentarmo-nos por alguma característica que seja temporária ou trivial em termos eternos, desvalorizamos o que há de mais importante sobre nós e salientamos o que é relativamente sem importância. Isso pode levar-nos pelo caminho errado e impedir nosso progresso eterno” (“How to Define Yourself ” [Como Definir a Si Mesmo]”, New Era, junho de 2013, p. 48).

Verdade: Seguir o caminho do Senhor edifica um senso de valor eterno.

O Senhor ensinou que Seus caminhos não são os mesmos que os caminhos do mundo e que “meus caminhos [são] mais altos do que os vossos caminhos” (Isaías 55:8–9). Seguir os caminhos do Senhor permite-lhe receber bênçãos eternas e ter o Espírito Santo com você, o que pode ajudá-lo a sentir-se bem consigo mesmo, mais profunda e constantemente do que qualquer coisa que o mundo tenha a oferecer. Em vez de tentar ser o que o mundo quer que seja, tente viver a sua vida pelos padrões estabelecidos pelo Senhor. Seus caminhos nunca mudam, e você nunca será impopular para Ele.

Mentira: Seu valor provém de como se compara às outras pessoas.

“Comparar bênçãos quase sempre afasta a alegria. Não se pode ser grato e invejoso ao mesmo tempo. Se quisermos realmente ter o Espírito do Senhor e sentir alegria e felicidade, devemos regozijar-nos com nossas bênçãos e ser gratos.” — Élder Quentin L. Cook

Quando adolescente, você provavelmente se lembra bem de como se comparava a seus colegas. Você quer se entrosar e ser o melhor possível, o que geralmente significa que quer ser como outra pessoa. Quando alguém parece ser melhor do que você em alguma coisa, pode ser que você não se sinta bom o suficiente e que precise ser melhor para ser aceito. Um problema com essa mentira é que, subordinando sua autoestima a outras pessoas, você está geralmente comparando a força de outra pessoa a um de seus pontos fracos (ver Presidente Dieter F. Uchtdorf, Segundo Conselheiro na Primeira Presidência, “Não Te Esqueças de Mim”, A Liahona, novembro de 2011, p. 120). Isso também pode levar à inveja e ao orgulho, especialmente se você rebaixar outras pessoas, a fim de tentar e fazer com que pareça melhor.

Verdade: Todos têm dons diferentes. Você pode sentir-se bem consigo mesmo e ser grato, não importa quais sejam seus talentos.

O Senhor quer que você seja você mesmo, não outra pessoa. Ele sabe que você e todos nesta Terra têm pontos fortes e fracos. Comparar-se a outra pessoa não a ajuda a ser melhor. É claro que é importante melhorar e fazer metas, mas elas devem basear-se em fazer o melhor de si, não o de outra pessoa.

Se quer sentir-se melhor quanto a si mesmo, tente ser grato pelo que tem. “A comparação de bênçãos quase sempre afasta a alegria”, diz o Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos. “Não podemos ser gratos e invejosos ao mesmo tempo. Se realmente desejarmos ter a companhia do Espírito do Senhor e experimentar alegria e felicidade, devemos regozijar-nos com nossas bênçãos e ser gratos” (“Regozijai-vos!”, A Liahona, janeiro de 1997, p. 30).

(Para mais informações sobre este assunto, ver “Soar Like an Eagle” [Alçar Voo Como uma Águia].)

Mentira: A autoestima vem do sucesso mundano.

Essa mentira está relacionada àquela sobre comparar-se a outras pessoas. Quem determina o que é o sucesso? A definição de cada pessoa pode ser um pouco diferente. E quando você baseia sua autoestima em realizações, só está dizendo a si mesmo que você é tão bom quanto sua realização mais recente. Isso simplesmente não é verdade.

Verdade: A visão e expectativas de Deus são o que importa.

O Presidente Dieter F. Uchtdorf ensinou: “ Os discípulos de Jesus Cristo compreendem que, em comparação com a eternidade, nossa existência nesta esfera mortal é apenas ‛um momento’ no espaço e no tempo (D&C 121:7). Eles sabem que o verdadeiro valor de uma pessoa pouco tem a ver com o que o mundo tem em alta estima. (...) O Senhor emprega uma escala muito diferente da que o mundo usa para definir o valor de uma alma” (“Você É Importante para Deus”, A Liahona, novembro de 2011, pp. 20, 22).

“O Senhor emprega uma escala muito diferente da que o mundo usa para definir o valor de uma alma.” — Presidente Dieter F. Uchtdorf

Mais uma vez, você pode vencer essa mentira, seguindo o caminho do Senhor e ficando mais preocupado com Sua definição de sucesso do que com a do mundo. Se puder sentir consistentemente a companhia do Espírito em sua vida, então isso significa que você está vivendo da maneira que o Senhor deseja. E se você achar que falhou aos olhos do Senhor, lembre-se de que pode voltar por meio do arrependimento e da Expiação.

Mentira: A boa autoestima consiste toda em edificar-me.

Quando as pessoas o encorajam a concentrar-se na edificação da autoestima (em vez de reconhecer o eterno valor pessoal), você pode ser tentado a pensar que será mais feliz consigo mesmo, se concentrar-se na sua edificação. Essa é a coisa enganosa relativa a tal mentira. Parece muito lógico que a autoestima deva ser completamente relativa a você, mas é assim que o adversário o engana. Se ele conseguir torná-lo tão obcecado com seu “aperfeiçoamento” (geralmente com as coisas externas a que o mundo dá valor) que fica totalmente focado em você, então isso vai desviar sua atenção de todas as pessoas ao seu redor a quem poderia estar ajudando.

Verdade: Você encontrará alegria em servir a Deus e ao próximo.

O Senhor ordenou a Seus discípulos a “estime[m] a seu irmão como a si mesmo” (D &C 38:24–25). Aqueles que realmente amam a si mesmos não dependem da atenção e elogios dos outros. Ficam suficientemente satisfeitos com seu próprio valor, e têm bons relacionamentos com os outros e são capazes de servi-los sem segundas intenções. Pense nisso: quando você está servindo ao próximo e esquecendo-se de si mesmo, isso faz com que se sinta melhor? É claro que sim, porque você está fazendo algo que vale a pena. E, ao servir aos filhos de Deus, você achega-se a Ele, aperfeiçoando-se ao mesmo tempo.

Seu Verdadeiro Eu

No final, amar a si mesmo não é tocar sua própria trombeta ou adaptar-se à opinião de autoestima do mundo. É ser quem você é — um filho inigualável de Deus — e saber quem você é, é uma coisa boa. Quando você compreender o seu valor eterno e viver de modo condizente com sua herança divina, irá adquirir uma autoestima duradoura que é melhor do que qualquer coisa que o mundo possa oferecer.

Este artigo foi publicado originalmente na edição de janeiro de 2014 da New Era.

Erro no envio de formulário. Certifique-se de que todos os campos estejam preenchidos corretamente e tente novamente.

 
1000 caracteres restantes