Pular para a Navegação Principal
  • Imprimir

Ensinar à Maneira do Salvador

Reflita por um momento sobre o que sabe a respeito do Salvador. Consegue visualizá-Lo mentalmente —com Seus discípulos reunidos a Sua volta? Consegue vê-Lo ensinando as multidões junto ao Mar da Galileia ou conversando pessoalmente com a mulher junto ao poço? O que você percebe na forma como Ele ensina e lidera? Como Ele ajudou as pessoas a aprenderem, a crescerem espiritualmente e a converterem-se a Seu evangelho?

Ele os amou, orou por eles e os serviu continuamente. Ele encontrou oportunidades de estar com eles e de expressar Seu amor. Conhecia seus interesses, suas esperanças e seus desejos, bem como o que acontecia em sua vida.

Ele os conhecia e sabia o que poderiam tornar-se. Ele encontrou formas específicas de ajudá-los a aprender e crescer — específicas para cada pessoa. Quando tinham dificuldades, Ele não desistia deles, mas continuava a amá-los e a ministrar a eles.



Em Sua preparação para ensinar, Ele buscou a solidão para orar e jejuar. Diariamente, nos momentos que passava sozinho, Ele procurava a orientação do Pai Celestial.

Ele usou as escrituras para ensinar e para dar testemunho de Sua missão. Ensinou as pessoas a ponderar as escrituras por si mesmas e a usá-las a fim encontrar respostas para suas próprias dúvidas. O coração dessas pessoas ardia quando Ele ensinava a palavra de Deus com poder e autoridade, e sabiam por si mesmas que as escrituras eram verdadeiras.

Ele contou histórias, parábolas e exemplos simples da vida real que faziam sentido para elas. Ajudava-as a descobrir lições do evangelho em sua própria experiência de vida e no mundo a sua volta. Falava de pescaria, de parto e do trabalho nos campos. Para ensiná-las a zelar umas pelas outras, contou-lhes histórias sobre o resgate de ovelhas perdidas. Para ensinar Seus discípulos a confiar na proteção do Pai Celestial, exortou-os a “[considerar] os lírios do campo”.

Fez perguntas que os faziam pensar e refletir profundamente. Interessava-Se sinceramente por suas respostas e alegrava-Se com suas expressões de fé. Dava-lhes oportunidades de fazer suas próprias perguntas e dizer o que pensavam, respondia-lhes as perguntas e ouvia suas experiências. Por causa de Seu amor, eles sentiam segurança para dizer o que pensavam e falar do que sentiam.

Ele os convidava a testificar, e quando eles o faziam, o Espírito tocava-lhes o coração. “E vós, quem dizeis que eu sou?” perguntou Ele. Quando Pedro respondeu, seu testemunho foi fortalecido: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

O Salvador confiava neles; Ele os preparou e deu-lhes a importante responsabilidade de ensinar, abençoar e servir a outras pessoas. “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”, foi o encargo que lhes deu. Seu propósito era o de ajudá-los a converterem-se pelo seu serviço ao próximo.

Convidou-os a agir com fé e a viver as verdades que Ele ensinou. Sempre que ensinava, concentrava-se em ajudar Seus seguidores a viver o evangelho de todo o coração. Para isso, procurava proporcionar-lhes oportunidades de aprender por meio de experiências marcantes. Quando apareceu aos nefitas, convidou-os a aproximarem-se Dele um por um, para que O vissem, tocassem e viessem a conhecê-Lo por si mesmos. Quando percebeu que não haviam entendido plenamente Sua mensagem, disse-lhes que fossem para casa e se preparassem para voltar e aprender mais.

Em todas as ocasiões, Ele era seu exemplo e mentor. Ensinou-os a orar, orando com eles. Ensinou-os a amar e a servir pelo modo como os amou e os serviu. Ensinou-lhes a maneira de pregar Seu evangelho pelo modo como pregou.

Sem dúvida, o modo de ensinar do Salvador é diferente do modo do mundo.

Este, portanto, é seu chamado sagrado: ensinar como o Salvador ensinava. Se assim fizerem, os jovens abrirão o coração para que a semente do evangelho seja plantada, cresça e se desenvolva. Isso os levará à conversão, que é a meta final de seu ensino. Ao ajudar os jovens a converterem-se, você os ajuda a prepararem-se para seguir o Salvador por toda a vida, —para frequentar o templo dignamente, receber o Sacerdócio de Melquisedeque, servir missão, fazer convênios sagrados, criar uma família em retidão e edificar o reino de Deus em todo o mundo. Quão grande será sua alegria!