Sobreviventes Ajudam Sobreviventes

Ryan Kunz

Revistas da Igreja

Imprimir Compartilhar

    Mesmo depois que a Tempestade Tropical Ketsana inundou, em setembro de 2009, a capital das Filipinas, Manila, e as áreas circunvizinhas, a devastação não terminou. Como também não terminou, depois que o Tufão Parma fustigou as regiões do norte das Filipinas, apenas oito dias depois. A destruição não terminou nem mesmo depois que o Parma mudou seu curso e causou novamente deslizamentos de terra apenas alguns dias depois, como uma tempestade tropical, o que causou ainda maior dano.

    No entanto, os santos das Filipinas, mesmo os que se esforçavam para se recobrar das tempestades anteriores, não esperaram a terceira e final passagem do Parma para começar a ajudar os que precisavam de assistência.

    Doar o Que Foi Salvo

    A cidade de Parañaque, perto de Manila, foi atingida pela Tempestade Tropical Ketsana, nos fins de setembro. No auge da tempestade, o bispo de uma das quatro alas locais atravessou as águas, cuja profundidade atingia o pescoço, boiando em uma tampa de geladeira de isopor, a fim de evacuar três famílias. No dia seguinte, foi cancelada a reunião sacramental, mas muitos membros da área afetada, embora enfrentando os efeitos da tempestade, reuniram-se na capela vestindo pijamas, calções e abrigos, levando alimentos e roupas para serem distribuídos aos necessitados. Em cerca de duas horas, todas as famílias da ala foram visitadas. Verificaram-se suas necessidades e foram todas ajudadas.

    Então, apenas duas noites depois que muitos deles estiveram vagando entre os escombros das vilas, os membros da área de Parañaque reuniram-se na capela local e juntaram 26 sacos de roupas que haviam doado, todas separadas e empacotadas individualmente.

    “Foi uma das noites familiares mais memoráveis para algumas famílias de nossa ala”, disse o bispo Franco Advincula.

    Certa irmã de uma das famílias necessitadas telefonou ao bispo e perguntou-lhe onde poderiam fazer sua contribuição. “Fiquei atordoado, sem poder encontrar as palavras corretas”, disse o Bispo Advincula. “No entanto, fui inspirado a não negar a essa boa irmã a oportunidade de ajudar.”

    Ajudar Sempre e Sempre

    Quando o Ketsana atingiu Metro Manila, o presidente do Distrito de Alaminos Filipinas, Porferio Balute Jr., disse que se sentiu impelido a pedir aos membros de seu distrito que ajudassem os vizinhos do Sul. No entanto, muitos membros do distrito de Alaminos ainda estavam-se recobrando do Tufão Emong, que os atingira quatro meses antes, em maio de 2009. Foi o tufão mais prejudicial que já atingiu aquela cidade do oeste das Filipinas. Muitos dos membros ganhavam a vida pescando ou cultivando, e seu meio de vida foi destruído pelas inundações subsequentes.

    Embora estivesse temeroso de pedir demais àqueles que ainda estavam lutando para se reerguer, o presidente Balute resolveu pedir assim mesmo.

    Naquela tarde, os membros chegaram à capela com 21 fardos de roupas, um saco de comida e $1.500 pesos filipinos.

    Quando o Parma chegou, depois de uma semana, desta vez indo para o Norte, os membros do distrito de Alaminos movimentaram-se novamente e juntaram mais roupas, alimentos e dinheiro. Alguns até se voluntariaram para dedicar seu tempo para ir e distribuir diretamente os gêneros.

    “Só queríamos ajudar”, disse o presidente Balute. “Nunca imaginamos que ganharíamos tanto. Nossa fé aumentou, nosso amor ao próximo se ampliou, nosso testemunho se fortaleceu e nosso entendimento do amor e da Expiação do Salvador se aprofundou”.

    Desprendimento e Otimismo

    O Élder Kendall Ayres, que serve com sua mulher no programa do Fundo Perpétuo de Educação, foi chamado para supervisionar e organizar a distribuição de suprimentos. Ele descreveu a união dos santos filipinos nos esforços de socorro.

    “Foi maravilhoso observar como aqueles que perderam tanto estão encontrando muito alívio ao se mobilizar e proporcionar ajuda aos outros que foram também duramente atingidos” disse o Élder Ayres. “Compreendo agora a mecânica de ‘perder sua vida para achá-la’, de uma forma que nunca compreendera antes. Para mim, não é mais teologia, é realidade. Há muito mais solicitações para participar do que necessidades a ser atendidas. A profusão de mercadorias e esforços está quase além de qualquer entendimento; tem sido uma revelação.”

    “Os filipinos em geral são muito joviais”, disse o Élder Benson Misalucha, Setenta de Área na Área Filipinas. Em vez de examinarmos o copo para ver se está meio cheio ou meio vazio, “observamos o copo e dizemos: ‘Bem, é um grande copo, ainda que esteja sem água’”.

    Os veículos ficaram de cabeça para baixo ou meio enterrados nos locais onde as inundações causadas pelo tufão os deixaram em Pangasinan, Filipinas. Os membros da Igreja estenderam as mãos para os necessitados, mesmo quando eles mesmos foram afetados.

    Fotografia por Nate Leishman