“Esta é a Minha Obra e Minha Glória”

O Velho Testamento: Doutrina do Evangelho – Manual do Professor, 2001


Propósito

Ajudar os alunos a entenderem que: (1) somos filhos de Deus, (2) podemos resistir às tentações de Satanás e (3) a obra e a glória de Deus é proporcionar–nos a imortalidade e a vida eterna.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude estas escrituras da Pérola de Grande Valor:

    1. a.

      Moisés 1:1–11. Moisés vê Deus e fala com Ele face a face. Moisés aprende que é um filho de Deus à semelhança do Unigênito do Pai. Observação: Os alunos devem entender que Jeová, não o Pai Celestial, apareceu a Moisés nessa visão. Jeová era Jesus Cristo na pré–mortalidade e o Deus do Velho Testamento. Ele é um em propósito com o Pai e representa-O em poder e autoridade. Suas palavras são as do Pai e, às vezes, como em Moisés 1:6, Ele fala pelo Pai em primeira pessoa.

    2. b.

      Moisés 1:12–23. Satanás confronta-se com Moisés; Moisés expulsa-o.

    3. c.

      Moisés 1:24–39. Deus aparece novamente e fala da Sua obra e glória.

  2. 2.

    Estude a lição e decida como ensinar os relatos das escrituras. Devido à impossibilidade de fazer todas as perguntas e abranger todos os pontos da lição, em espírito de oração, selecione os que melhor atendam às necessidades dos alunos. Talvez seja necessário adaptar algumas perguntas às circunstâncias que os alunos vivem.

  3. 3.

    Providencie um exemplar do Manual do Aluno para Estudo do Velho Testamento (34592 059) para cada aluno. (A ala deve ter solicitado os guias de estudo como parte do material curricular anual; um membro do bispado deve entregá–los à presidência da Escola Dominical.)

  4. 4.

    Se utilizar a segunda sugestão de atividade motivadora, arranje uma sacola de papel ou tecido e coloque nela objetos simples ou de uso diário, como, por exemplo, uma pedra, um pente e um lápis.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Introdução ao

Velho Testamento O Velho Testamento é um relato dos acordos feitos entre Deus e o povo do convênio desde a Criação até alguns séculos antes do nascimento do Salvador. O Velho Testamento mostra exemplos vigorosos de fé e obediência. Mostra também as conseqüências de se esquecer Deus, desobedecê-Lo ou opor-se a Ele. Suas profecias prestam testemunho do nascimento, sacrifício expiatório, segunda vinda e reinado milenar do Messias.

Além do Velho Testamento, este curso inclui os livros de Moisés e Abraão, da Pérola de Grande Valor. Esses livros dão informações e esclarecimentos importantes sobre algumas partes do livro de Gênesis. O livro de Moisés foi extraído da tradução da Bíblia de Joseph Smith. O livro de Abraão é uma tradução que o Profeta Joseph Smith fez de certos papiros egípcios. Para mais informações sobre a Tradução de Joseph Smith, ver “Tradução de Joseph Smith”, no Guia para Estudo das Escrituras. Observe que as seleções da Tradução de Joseph Smith estão incluídas no Guia para Estudo das Escrituras.

Atividade Motivadora

Você pode fazer uma destas atividades (ou outra de sua preferência) no início da aula. Escolha a atividade mais adequada para a classe.

  1. 1.

    Peça aos alunos que identifiquem as importantes verdades que são reveladas em Moisés 1:6, 20–22 e 39. As respostas podem variar. Explique-lhes que esta lição estará centralizada nas três verdades que estão relacionadas sob o título “Propósito” na página 1.

  2. 2.

    Escolha dois alunos e entregue-lhes uma sacola contendo objetos simples ou de uso diário. (Ver “Preparação”, página 1.) Diga aos alunos que eles participarão de um jogo, mas não lhes dê instruções ou explicações sobre o objetivo do jogo. Peça-lhes que abram a bolsa e comecem a jogar. Eles esperarão encontrar as instruções do jogo no conteúdo da bolsa, que; entretanto, não as fornece, e ficarão imaginando como devem jogar.

Ressalte que para entender um jogo é necessário entender seu objetivo ou propósito. Semelhantemente, para compreender a vida na Terra, precisamos compreender o objetivo ou propósito da vida. Moisés 1 ajuda-nos a compreender esse propósito, respondendo a três perguntas importantes:

  • Quem somos?

  • Como sobrepujar a influência do adversário?

  • Qual é a obra e a glória de Deus?

Comentários sobre as Escrituras e Sua Aplicação

À medida que ensinar estas passagens de escritura, comente como elas podem ser aplicadas na vida diária. Incentive os alunos a contarem experiências relacionadas aos princípios destas escrituras. Em um momento adequado da aula, entregue o Manual do Aluno para Estudo do Velho Testamento (34592 059) e incentive os alunos a usá-lo como auxílio para o estudo pessoal e familiar das escrituras.

1. Deus ensina que Moisés é um filho de Deus.

Ensine e comente Moisés 1:1–11.

• O que Moisés aprendeu sobre Deus com as experiências descritas em Moisés 1:1–7? O que Moisés aprendeu sobre si mesmo? (Sugere-se que os alunos anotem o número de vezes que Deus refere-Se a Moisés como “meu filho” nesses versículos.)

• O que significa Moisés ter sido criado “à semelhança” do Salvador? (Moisés 1:6) Que diferença faz para nós sabermos que somos filhos de Deus, criados à semelhança de Seu Filho?

O Élder Dallin H. Oaks ensinou: “Ponderem o poder da idéia ensinada no apreciado hino ‘Sou um Filho de Deus’. (…) Aqui está a resposta a uma das mais importantes perguntas da vida — ‘Quem sou eu?’ Sou um filho de Deus, com linhagem espiritual de pais celestiais. Essa ascendência define nosso potencial eterno. Essa idéia profunda é um forte antidepressivo. Pode dar-nos força para fazer escolhas certas e buscar o melhor que há dentro de nós. Incuta na mente de [uma pessoa] a vigorosa idéia de que é um filho de Deus e ter-lhe-á dado respeito próprio e motivação para enfrentar os problemas da vida.’ (A Liahona, janeiro de 1996, p. 27)

• Chamando Moisés repetidas vezes de “meu filho” e dizendo que ele fora criado “à semelhança do [Seu] Unigênito”, Deus deu a Moisés confiança e compreensão de sua dignidade. De que forma a aplicação desse princípio ajuda-nos como pais? Como fortalece o casamento? Como fortalece amizades?

Diga que, em um mundo onde a crítica e os comentários negativos e degradantes parecem dominar, devemos seguir o exemplo do Senhor e dizer coisas que ajudem os outros a verem a si mesmos como filhos de Deus que têm dignidade e valor.

• A importância e o potencial eterno de Moisés tornam-se evidentes em Moisés 1:1–7. No entanto, depois que a presença de Deus Se retirou dele, Moisés declarou: ‘Ora, por esta razão sei que o homem nada é, (…).’ (Moisés 1:10) Em que sentido os dois conceitos são verdadeiros? (Deus é infinitamente mais sábio e mais poderoso que o homem e a mulher mortais. Nada somos sem Ele. Como Seus filhos, porém, temos o potencial para tornarmo-nos como Ele.)

2. Satanás confronta-se com Moisés; Moisés o expulsa.

Ensine e comente Moisés 1:12–23.

• Quando Satanás apareceu, o que ordenou que Moisés fizesse? (Ver Moisés 1:12.) Em sua opinião, por que Satanás chamou Moisés de “filho do homem”? (Satanás queria que Moisés acreditasse que ele não era filho de Deus.) Por que Satanás quer que duvidemos que somos filhos de Deus ou que desprezemos essa idéia? Como ele tenta conseguir isso?

• Qual foi a reação de Moisés quando Satanás chamou-o de “filho do homem”? (Ver Moisés 1:13.) De que modo ter um forte testemunho de que somos filhos e filhas de Deus ajuda-nos a resistir à tentação?

• Quantas vezes Moisés ordenou a Satanás que se retirasse? (Ver Moisés 1:16, 18, 20 e 21.) O que isso nos ensina a respeito de resistirmos a Satanás?

• Como Moisés recebeu forças para resistir às tentações de Satanás? (Ver Moisés 1:18, 20–21.) De que modo Moisés fez com que Satanás se retirasse? Como a oração nos fortalece para resistirmos à tentação? O que mais podemos fazer para ser fortalecidos?

3. Deus aparece novamente e fala de Sua obra e glória.

Ensine e comente Moisés 1:24–39.

• Depois que Satanás retirou-se, Moisés contemplou a glória de Deus e teve outra visão da Terra e de seus habitantes (Moisés 1:24–28). Quais são as duas perguntas que Moisés fez quando teve essa visão? (Ver Moisés 1:30.) O que Deus respondeu? (Ver Moisés 1:31–32, 39.)

• Apesar de ter criado um número de mundos e pessoas que é incontável para nós, Deus assegurou a Moisés que conhecia todos. (Moisés 1:35) O que os faz sentir que o Pai Celestial e Jesus Cristo os conhecem individualmente e os amam? (Se desejar, preste testemunho de alguma vez em que tenha sentido que Eles o amam e Se preocupam com você.)

• A obra e a glória de Deus é “levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem”. (Moisés 1:39) O que é a imortalidade? Quem receberá a imortalidade? O que é a vida eterna? Quem receberá a vida eterna?

O Élder James E. Faust afirmou: “Existe uma diferença entre imortalidade, ou existência eterna, e vida eterna, que significa habitar na presença de Deus. Por meio da graça de Jesus Cristo, a imortalidade é dada a todos (…), justos ou injustos, retos ou iníquos. A vida eterna; entretanto, ‘(…) é o maior de todos os dons de Deus’. (D&C 14:7) O Senhor disse que alcançaremos esse grandioso dom ‘(…) se [guardarmos Seus] mandamentos e [perseverarmos] até o fim, (…)’. Se assim perseverarmos, foi-nos prometido: ‘(…)[tereis] vida eterna (…)’”. (D&C 14:7) [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), outubro de 1988, p. 14; ou Ensign, novembro de 1988, p. 12]

• Por que é importante para nós sabermos qual é a obra e glória de Deus? Citem algumas das coisas que podemos fazer para ajudá-Lo nessa grande obra.

O Presidente Gordon B. Hinckley disse: “Estamos aqui para ajudar nosso Pai em Sua obra e Sua glória — ‘levar a efeito a imortalidade e vida eterna do homem’. (Moisés 1:39) A obrigação de cada um é tão séria em sua esfera de responsabilidade quanto o é a minha em minha esfera. Não há chamado nesta Igreja que seja pequeno ou de pouca conseqüência. Todos nós, ao cumprirmos nossas responsabilidades, tocamos a vida de outrem. A cada um de nós, em nossas respectivas responsabilidades, o Senhor disse: ‘Assim agindo, farás o maior dos bens a teus semelhantes e promoverás a glória daquele que é teu Senhor”. (D&C 81:4) (A Liahona, julho de 1995, p. 76; ver também D&C 81:5–6.)

Conclusão

Moisés 1 ensina a grandiosa doutrina de que somos filhos e filhas de Deus. Incentive os alunos a ponderarem o significado desta verdade. Preste testemunho de que nosso Pai Celestial conhece e ama cada um de nós. Incentive os alunos a falarem à família sobre o que sentem a respeito do que aprenderam em Moisés 1.

Outras Sugestões para o Professor

O material a seguir complementa o plano de aula sugerido. Podem-se usar uma ou mais destas idéias como parte da lição.

1. “Moisés foi deixado sozinho” (Moisés 1:9)

• Pode haver ocasiões em que sejamos “deixado[s] sozinhos” como Moisés foi; ocasiões em que não sintamos a forte influência do Espírito ou em que passemos por muitas provações. Que ensinamentos em Moisés 1 podem ajudar-nos nessas ocasiões? (As respostas podem incluir: as dificuldades talvez não sejam resultado de nossas faltas; Deus não nos abandona completamente, o que podemos perceber lendo o versículo 15; e, freqüentemente, enfrentar as provações, invocar a Deus e nutrir a fé nos fortalece.)

2. Todos nós somos filhos de Deus

• Moisés teve a visão que está registrada em Moisés 1 antes de tirar os filhos de Israel do Egito. Como você acha que essa visão ajudou-o nessa tarefa, principalmente quando ele sentia-se desestimulado por causa das freqüentes rebeliões e falta de fé do povo? Como o conhecimento de que todos nós somos filhos de Deus ajuda um professor ou líder? Como esse conhecimento ajuda-nos em nosso relacionamento com os membros da família, amigos e outras pessoas?

3. A Tradução de Joseph Smith da Bíblia em Inglês

Caso as Apresentações de Vídeo do Velho Testamento (5X224 059) estejam disponíveis, pode-se exibir “O Poder da Tradução de Joseph Smith”, um segmento com cinco minutos de duração, durante a aula. Lembre aos alunos que o livro de Moisés foi extraído da Tradução de Joseph Smith da Bíblia.